terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Respirar...

Ás vezes nem tudo acontece como se quer, ás vezes só acreditar não é suficiente, ás vezes a vontade não chega para se ir até ao fim... Ás vezes magoamos quem não merece, ás vezes magoamo-nos a nós próprios... Ás vezes aquilo que se julga verdade não passa duma ilusão que nos fazem sentir... Ás vezes tem de se bater no fundo para depois podermos dar valor á brisa que se sente quando se consegue emergir até á superficie... Ás vezes temos de preferir pensar no que é bom para nós e não no que os outros esperam de nós... Ás vezes é preciso parar o Mundo, parar o coração e respirar...

domingo, 19 de agosto de 2012

Confiança




Foi o sinal perfeito, como se o Mundo nos dissesse que éramos abençoados por uma vontade divina. O astro-rei desceu até à linha do horizonte e resolveu despedir-se com uma sinfonia de cores flamejantes que tingiram o céu como uma aguarela. Aquele foi o momento de todas as certezas. Ainda oiço o sussurro do teu olhar… O teu sorriso pedia-me para que eu quisesse que aquele momento durasse para sempre. E eu consenti, não só porque queria mas porque precisava disso para me sentir viva. Tocaste-me a alma, a partir de agora fazes parte de tudo o que sou.
Por isso repousa em mim os teus pensamentos enquanto eu repouso em ti as minhas esperanças. E na mais pura cumplicidade deixo-te descobrir-me, deixo-te alcançar o que de mais escondido existe em mim e tu retribuis essa entrega com a certeza duma confiança inabalável. E eu acredito nas palavras que acabam por não ser proferidas, acredito nos olhares desviados, acredito quando me apertas as mãos com força e quando me acaricias a cara suavemente. Acredito em cada respiração do teu ser e em cada chama da tua alma. Acredito em ti apesar de não me pedires para o fazer... E tu, acreditas em mim?

sábado, 28 de julho de 2012

Back to basics


Regressei! Peço desculpa pelo meu interregno a todos aqueles que têm vindo visitar o meu cantinho à procura de novidades mas foram tempos atribulados, a mudança para a casa nova, algumas complicações no trabalho, novos hábitos e rotinas, tempo para organizar a cabeça e o coração... Mas agora que entrei de férias e tudo já está no caminho certo garanto que irei passar a ser mais assídua nas minhas publicações e nas visitas às vossas. Bem, o que é que há de novo...? Já definitivamente instalada na minha casa, ao principio foi estranho habituar-me ao silêncio e á tranquilidade que viver sozinha trás, mas neste momento posso dizer que já não seria capaz de abrir mão disto. A liberdade e independência trazem algumas responsabilidades e compromissos, mas valem todos a pena! E quer dizer, sozinha, sozinha não estou... Desde segunda-feira que tenho a melhor companhia do Mundo, a minha Princesa Mia! Depois de 2 semanas a habituar-me á vida nova achei que já estava tudo preparado para poder trazê-la para casa, então fiz algo que acho que toda a gente que tenha possibilidades e condições deveria fazer, em vez de alimentar o negócio dos animais de estimação, entrei em contacto com a veterinária que cuida do meu gato que está em casa dos meus pais e ela deu-me a óptima noticia de que tinha uma gatinha para adopção, por isso na segunda-feira de manhã fui conhecer a Mia e ao fim da tarde já ela estava comigo. Mesmo sendo suspeita, posso dizer que é linda, esperta, encantadora e de personalidade forte. Enfim, não poderia estar mais feliz com a minha decisão! Agora vou para mais uma sessão de ron-ron (grande sorriso!) e não tarda nada mantenho-vos informados acerca de novos capítulos.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Longe da vista, longe do coração


Já consigo ouvir esta música de olhos abertos, sem ter de suster a respiração e sem sentir o coração a querer saltar-me do peito para ir ao teu encontro...
"just take your time wherever you go"

terça-feira, 19 de junho de 2012

A espera



Sento-me após a nossa despedida, fico a contemplar a tua presença a afastar-se e com ela afasta-se de mim a minha existência e toda a minha força. Agora não passo duma essência efémera, já nem sinto o frio do Outono. O vento atravessa o meu ser e vou desvanecendo enquanto me sinto cada vez mais etérea. A minha energia espalha-se e acompanha o balanço das folhas que voam. A chuva cai e as gotas misturam-se com as minhas lágrimas de saudade. O tempo passa e com ele aumenta a minha angústia, a vontade de que me voltes a conceder o fôlego da vida com o toque dos teus lábios. Até ao teu regresso, sento-me à tua espera…
E não me interessa por que caminhos andas enquanto estás longe. Ao cair a noite sabes que podes voltar para casa, a porta estará sempre aberta e a luz acesa. Eu vou estar na quietude do silêncio a aguardar que chegues para afastares a solidão e nesse momento prometo tentar fazer desaparecer a sombra que há no teu olhar. Deito o teu rosto no meu colo, abraço-te até adormeceres, velo pelo teu sono e mando para longe todos os teus medos e fantasmas. Para tão longe quanto às vezes estás de mim…

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Desencontros com o timing


Ora aí esta uma questão que tanto da que falar... O timing deve de ser mais requisitado que os gelados no Verão, dada a dificuldade que existe cada vez mais em encontrá-lo. Defendo a ideia de que o seu contacto deveria constar no Google, tantos incómodos que poderiam ser evitados se assim fosse... Fala-se na "Teoria da Prateleira" de forma a colmatar esta falha, e para quem não esteja familiarizado com esta teoria, deve-se explicar que a ela esta subjacente a ideia de deixar uma pessoa em stand-by (ou em suspensão, em linguagem informática) até que nos caia a ficha e cheguemos a conclusao que afinal queremos estar com ela. Só para que conste, as pessoas não são mercearias, assim sendo nada de pôr em prática esta tão famigerada teoria! Não mesmo!
Toda a gente diz: "Ah e tal, foi falta de timing!". Mas afinal o que é que significa falta de timing? Na minha opinião é aquela capacidade inata que as mulheres e os homens tem em andarem desencontrados. Quando um só quer sexo, o outro quer uma relação séria, ou então ainda pior, quando um quer tudo, o outro não quer nada! E o mais caricato é quando passado um tempinho o jogo vira, e quem queria tudo fartou-se e já não quer nada, enquanto que quem não queria nada (surpresa das surpresas...) agora afinal quer tudo!
Pergunto-me então se será que possível vir a existir algum momento em que os dois queiram a mesma coisa...? Ou seja, será ou não possível encontrar o timing? Parece-me uma saga só semelhante a do "Onde está o Wally?".
Com a devida diferença de que o Wally aparece sempre vestido da mesma maneira (para quem não saiba, com uma camisola as risquinhas vermelhas e brancas e um gorro bem demodé) enquanto que o timing vem disfarçado das as mais belas e variadas desculpas.
Só me resta dizer, volta timing, estás perdoado! 

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Palmas para mim


Hoje decerto o dia seria mais perfeito se pudesse pôr os dentinhos num bolo destes, mas como adivinho que isso não irá acontecer, pelo menos de certeza que terei muitas outras alegrias. Vai ser um dia muito especial, não por acrescentar a passagem de mais um ano à minha cronologia (até porque disso acho que nenhuma mulher gosta) mas sim porque desde a última vez que assinalei o meu aniversário a minha vida deu muitas voltas, aprendi bastante, passei a conhecer-me muito melhor, realizei alguns objectivos, idealizei outros tantos, mas acima de tudo tive provas de que quando queremos algo com muita força e perseverança, os sonhos se cumprem. Posso com toda a convicção dizer que este ano me sinto muito mais realizada e feliz do que me sentia no ano passado por esta altura e que espero que daqui por 365 dias estes sentimentos estejam redobrados, prometo lutar para que assim seja e prometo estar mais perto de ser a mulher que desejo vir a ser, por mim e para mim.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Faltas-me...


Hoje senti-te falta... Senti falta dos sorrisos e gargalhadas que me provocavas, dos nossos olhares reveladores de tudo o que não se precisa de pronunciar por palavras, da tua pele misturada com a minha pele num à vontade que só se tem com alguém que se conhece como a palma da nossa mão, dos nossos silêncios cúmplices, das lágrimas partilhadas em momentos de profunda sinceridade, das conversas absurdas para o resto do Mundo mas que para nós faziam tanto sentido, do mistério de conseguirmos completar as frases um do outro, de seres os ouvidos sempre dispostos a escutar-me e a voz que me transmitia a esperança e força nos momentos em que me sentia a desfalecer, da tua capacidade em adivinhar-me e compreender-me, de saber que me amavas duma maneira que eu ainda nem consigo quantificar, de seres o amigo, namorado, companheiro, tudo o que eu nem sempre soube valorizar.
Mas não foi uma saudade melancólica e triste, pelo contrário, foi uma saudade que me encheu de plena satisfação por saber que contigo cheguei a conseguir tocar muitos pedacinhos de felicidade, por tudo isso, sei que hoje e sempre hei-de sentir-te falta.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Xô mau-olhado!


Quem me conhece sabe que de maneira nenhuma costumo usar vernáculo no meu dia-a-dia, mas garanto que a próxima pessoa que me perguntar se ainda não me arrependi de ter decidido ir morar sozinha, vai levar com um palavrão capaz de envergonhar um camionista! É que já começo a ficar farta de pessoas que para além de se rodearem de más vibrações também tentam impingir esse negativismo na vida das outras pessoas. Parecem umas hienas à espreita só à espera que nos estatelemos ao comprido para depois virem regozijar-se com um riso irritante e maldoso na nossa cara! Eu pelo sim pelo não como já sei que a inveja alheia é capaz de trazer alguns problemas, vou comprar um Olho Grego para colocar atrás da porta, é que "eu não acredito em bruxas, mas que as há, há"!
(E hoje foi dia de tratar dos electrodomésticos e dumas coisinhas que fazem falta, no fim-de-semana vou buscar as mobílias e depois é que vem a parte mais divertida: decorar!)

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Casa nova, vida nova


Finalmente, primeira fase do processo concluída! Casa escolhida, contrato assinado e chaves na mão! A partir de ontem, tenho oficialmente uma nova morada, um novo refúgio, um novo cantinho para dar asas aos meus devaneios, não é nenhum palacete mas também para mim e para o gatinho que me há-de fazer companhia, chega perfeitamente (e coincidência das coincidências, o gato que me foi prometido nasceu precisamente ontem, portanto duas alegrias no mesmo dia!). Agora é tratar do resto das burocracias e papeladas e começar as assíduas incursões ao Ikea e à Zara Home, eu já sei precisamente o que quero trazer comigo, portanto se tudo correr bem e dentro do prazo previsto, ainda antes do principio do próximo mês já vou estar a escrever-vos entre outras paredes, aquelas que se espera virem a ser testemunhas de muitos momentos de felicidade e sorrisos. O meu aniversário é daqui por uns dias, e à fatídica pergunta "O que é que vais querer de prenda?" a resposta vai ser igual para toda a gente "Coisinhas bonitas para o meu enxoval de solteira!".

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Eu fui!


Sábado foi dia (e noite!) de Rock In Rio, e não posso dizer que tenha chegado ao recinto com o humor em alta, até porque a chuva miudinha e irritante que caiu durante o principio da tarde foi o suficiente para arruinar as quase duas horas que passei em frente ao espelho a tentar domar esta cabeleira ruiva que começa a ficar com mau temperamento e a ver se me conseguia pôr com uma cara decente depois de na noite anterior apenas ter conseguido dormir quatro horas. Mas azares e percalços á parte, as memórias desta edição do RIR vão ficar marcadas como das melhores idas de sempre a um festival. Périplo por todo o recinto principalmente em direcção á Rock Street, que este ano foi a grande novidade, o cenário recriado fez-me recordar as imagens de Nova Orleães durante o Mardi Gras (na parte da multidão em êxtase), com direito a um coreto com uma banda ao vivo a tocar blues, grande momento! 
As hostes no Palco Mundo começaram com The Gift, tocaram bem mas senti pouca interacção com o público, eu admiro-os, mas desta vez ficaram um pouco aquém das expectativas. 
O que superou tudo e mais alguma coisa foi a artista que se lhes seguiu, Joss Stone! Admito que a presença dela foi o grande impulso que me levou ao festival e se antes já seguia de perto a carreira dela, neste momento estou completamente rendida á voz, á simpatia, á entrega em palco, a tudinho! Uma autentica menina-mulher, que nos brindou com momentos de doçura, de sensualidade, de introspecção mas também de muita energia. A música que eu mais esperava foi precisamente a escolhida por ela para fechar o concerto, e não o poderia ter feito da melhor maneira. Da próxima vez que ela voltar, certamente estarei na primeira fila para a aplaudir de pé! 
Logo de seguida subiu ao palco o Mr. Bryan Adams, é verdade que o tempo passou por ele e não foi nada bondoso no aspecto físico mas na voz e na capacidade de nos prender em cada acorde da guitarra (mesmo que tenha cometido algumas falhas, a minha companhia percebe da parte técnica então acusou-o logo de fazer alguns "pregos", mas eu não dei por nada), nisso continua exímio, foi bom recordar músicas intemporais com mais idade que eu própria.
E para terminar the one and only, Stevie Wonder! Regressou a Portugal acho que depois de 20 anos de interregno, mas redimiu-se bem. Tentou manter sempre um "dialogo aberto" com o público. Tem um repertório e arranjos musicais que vaguearam pela bossa nova, blues, jazz e até salsa! Ele tinha a felicidade estampada no rosto e só por isso posso dizer que me encheu de boas vibrações.
Na próxima edição fica já garantido, eu volto!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Aguenta coração...


Estes últimos dois dias têm sido de emoções fortes. Ontem, finalmente, acedi ao convite, ao fim de várias recusas e fui almoçar com o ex-namorado... Ele não é um ex, é "O" ex-namorado, aquele que para todos os efeitos acho que permanecerá durante muito tempo como a pessoa que mais perto esteve de me fazer pensar numa vida a dois. Aquele que, em certos aspectos, deixou a fasquia bastante elevada para quem vier a seguir mas que também  me fez abrir a pestana para reconhecer certo índicios de atitudes e comportamentos que assim que os vislumbre noutra pessoa, nem que seja ao de leve, digo bye-bye com mais celeridade que o "Bip-Bip" que atormenta o "Coyote" na banda desenhada. Contámos as novidades que têm acontecido desde que nos afastámos, falámos com descontracção de alguns episódios passados, mas, acima de tudo, foi bom perceber que afinal continuamos a ser uma boa companhia um para o outro (e acho que este pensamento é mútuo), mais que não seja pela cumplicidade e familiariedade que o tempo que passámos juntos e as experiências partilhadas nos conferem. Não considerei este reencontro como uma recaída mas sim como uma prova da maturidade dos dois em pôr certos episódios para trás das costas e deixarmos de pensar no que já lá vai, até porque o caminho faz-se é olhando para a frente. Não é intenção de nenhum voltar ao registo anterior mas sim acrescentar mais umas linhas á nossa história e desta vez tendo por base a amizade entre duas pessoas que se conhecem bem (demasiado bem) e que não se devem arrepender mas sim tirar beneficios dos ensinamentos que o passado em comum nos proporcionou. Concluindo, sei que não iremos ser os melhores amigos, mas espero que seja possivel mantêrmos uma convivência cordial e positiva para os dois.
E hoje de manhã, fui ver aquela que se avizinha ser muito em breve a nova morada dos meus sapatinhos, roupinhas, princesices e afins... Tem tudo aquilo que eu andava á procura e mais ainda, e eu que sou uma pessoa de pressentimentos, devo dizer que assim que entrei porta adentro senti-me quase como estando em casa, não consigo explicar bem porquê mas senti isso de imediato, por isso acho que se aproximam tempos de mudanças e muitas visitas ao IKEA aqui da zona... Vai ser a melhor prenda de aniversário que eu poderia oferecer a mim própria mesmo que seja com quase duas semanas de antecedência.
Estes dois acontecimentos fizeram com que encerrasse uma porta mas também com que uma outra se abrisse para uma nova vida.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Lisboa(mar)



Já tive a oportunidade de visitar algumas capitais europeias mas nunca nenhuma me reconfortou como Lisboa, para onde eu sei sempre que posso voltar e sentir-me como estando no meu refúgio predilecto mais seguro.
São simples as razões e as memórias que fazem com que eu a tenha como um pedaço de mim:
- passar por Belém para admirar o Tejo e depois alimentar o corpo com uns pasteis e o espírito com uma passagem pelo CCB;
- dar uma fugida à Avenida da Liberdade e espreitar as melhores e mais prestigiadas lojas da capital;
- observar natureza quase no seu estado puro no Jardim Botânico;
- dar um passeio pelo Parque Eduardo VII e parar para um café na Linha-de-Água;
- visitar as zonas mais típicas como Alfama e Mouraria e deixarmo-nos invadir por aquele ambiente bairrista;
- ler um bom livro ou inspirarmo-nos para escrever no Miradouro de Santa Catarina ou do Adamastor e aproveitar para bebevericar ou petiscar alguma coisa no Noobai;
- fazer a histórica viagem no Elevador da Bica;
- captar a energia e a luz e observar a mescla de gentes e culturas que só se encontra na Baixa;
- fazer a descida do Chiado repleta de abraços e sorrisos e depois culminar com um beijo apaixonado debaixo do Arco da Rua Augusta;
- jantar em óptima companhia num dos melhores restaurantes italianos da capital, o Locanda Italiana, e aproveitar para passar tempo de qualidade a ver uma boa peça de teatro no D. Maria ou um musical no Tivoli;
- beber um cocktail no Hard Rock Café, depois fazer a obrigatória peregrinação até ao Bairro Alto e terminar a noite no Lux.
Estes são só alguns e são os meus, mas há muitos mais motivos para amar Lisboa e amar em Lisboa!

domingo, 27 de maio de 2012

Idolomania


Está a começar primeira Gala dos Ídolos e só assim para dar inicio ás hostes com o "pé direito", a Bábá que ia bela e formosa mas nada segura ia-se espalhando, valeu-lhe o Manuel Moura dos Santos para a livrar da vergonha da noite. Vou aterrar no sofá a observar tudo com um olhar critico e analítico tipo Prof. Dr. Marcelo Rebelo de Sousa e deixo comentários mais aprofundados para depois. Tenho um conterrâneo a participar, vamos ver se ele passa desta primeira prova de fogo...